Archive

Archive for the ‘pensando’ Category

Leia, leia… Leia!

 

Acabei de ler Refugiados no Oriente Médio, de Talita Ribeiro.

Na verdade, meus leucócitos procrastinadores (eufemismo para preguiça e / ou falta de disciplina) impediram-me de participar do crowdfunding do livro: “… não posso deixar de entrar no site e fazer meu cadastro… vixi… esqueci-me de novo… vixi… passou…”.

Enfim, antes tarde do que nunca. Fui à livraria (Livraria Cultura do Conjunto Nacional) e comprei o livro.

Começando pelas amenidades, é uma obra muito bem feita, com uma programação visual pra lá de caprichada – que dá a impressão de termos nas mãos um diário de viagem, com fotos coladas em todas as páginas, grifos da autora (em “caneta marca-texto” e sublinhados), recortes de informações úteis colados aqui e ali… uma coisa que dá a nítida impressão de que foi feita por quem queria fazer uma coisa bem legal – bem legal mesmo.

Como um “bônus track”, o leitor tem um pequeno manual sobre Turismo de Empatia – definido como “… aquele no qual você decide embarcar em uma viagem ou passeio cujo foco não é conhecer as atrações de um destino, mas sim a realidade das pessoas que vivem no local, suas histórias, sonhos e medos” –, com dicas objetivas e valiosas para quem está decidido a viver sua própria experiência em uma viagem como essa.

Cada capítulo é relatado em uma, duas ou, no máximo, três páginas – com histórias curtas, reflexões e confissões breves. O primeiro capítulo, curto e grosso, tem o título “Você não tem medo?”, em referência à pergunta ouvida frequentemente pela autora quando contava a qualquer pessoa sobre seu plano e objetivo de viagem ao Oriente Médio. Com honestidade e força, Talita descreve cada um de seus medos, concluindo que “… principalmente de como vou reagir ao mundo de novas informações ao qual serei exposta. Sim, tenho medo.”.

Em um registro blogado, a Talita registra seus momentos na viagem, transitando entre sustos, surpresas, sorrisos, lágrimas, histórias, encontros e uma boa dose de lazer – especialmente em Istambul. Você pode, como eu, achar que a história podia ter mais detalhes sobre cada etapa, mas suspeito que isso tenha sido exatamente o objetivo – plantar em mim e em você a ideia de que precisamos vivenciar essa experiência pessoalmente. Acho que ela quer que você e eu queiramos mais.

Devo aconselhar ao leitor que quer aproveitar ao máximo o que a obra tem para dar: Faça o exercício de colocar-se no lugar de cada pessoa de cada história – de quem conta a história, de quem é protagonista em cada episódio, de quem é coadjuvante… e de quem sequer foi citado, mas que, de alguma forma ou de outra, está envolvido com aquela situação. Ou seja: leia com o coração.

Finalmente, preciso compartilhar um sentimento que me acompanhou durante a leitura. Ao passar pelas primeiras páginas, pensei “mulheres precisam ler”; mais adiante, “homens também precisam ler”; um pouquinho mais para a frente, “cristãos precisam ler”; não demorou muito, “muçulmanos, espiritas, umbandistas, budistas… pessoas precisam ler”; mas precisam ler com o coração e as portas abertas para acomodar no coração sem restrições ou barreiras aquele que precisa de nosso carinho, atenção e amor: o outro – quer ele esteja ao alcance de um braço, quer esteja a milhares de quilômetros.

O Gladir Cabral, em sua música Bem Melhor, canta:

Na verdade, ninguém vive só por viver
Mas vive pra outra pessoa
E se faz um ser completo
No instante em que vive no outro
É assim…

É… acho que é assim mesmo.

Leia, leia… Leia!

Categorias:lendo, pensando

A força que dói

Dentre várias coisas escritas por C.S. Lewis que me deram a sensação de que ele “tirou as palavras da minha boca” (ou, contextualizando, “tirou os caracteres do meu teclado”), está o famoso trecho de “Os Quatro Amores”.

Amar é sempre ser vulnerável. Ame qualquer coisa e certamente seu coração vai doer e talvez se partir. Se quiser ter a certeza de mantê-lo intacto, você não deve entregá-lo a ninguém, nem mesmo a um animal. Envolva o cuidadosamente em seus hobbies e pequenos luxos, evite qualquer envolvimento, guarde-o na segurança do esquife de seu egoísmo. Mas nesse esquife – seguro, sem movimento, sem ar – ele vai mudar. Ele não vai se partir – vai tornar se indestrutível, impenetrável, irredimível. A alternativa a uma tragédia ou pelo menos ao risco de uma tragédia é a condenação. O único lugar além do céu onde se pode estar perfeitamente a salvo de todos os riscos e perturbações do amor é o inferno.

(C.S. Lewis, Os Quatro Amores)

Nos tempos atuais, a afirmação de Lewis é uma afronta. Tempos em que não há espaço para que eu receba ou aceite a história do outro como uma perspectiva a ser considerada, ampliando meu entendimento do que suponho ser a verdade – verdade essa que não estou disposto a questioná-la, porque eu e meu mundo nos bastamos.

Em oposição ao individualismo, chega o amor. Mais do que isso: o amor é a alternativa viável ao inferno do egocentrismo. Mas é importante que se saiba que, por sua essência transformadora, o amor pode doer. Dói em mim, dói em você, doeu em Jesus.

Não obstante, vale a pena porque, na verdade, é o que de fato cabe no meu coração e no meu anseio pela eternidade. É o que me permite provar e vislumbrar um pouco do que há no coração do meu criador. Estabelece laços, modifica perspectivas, viabiliza vida.

… Pausa…

Originalmente (há mais ou menos um mês e meio), eu tinha escrito essa introdução para os versos que você pode ler logo abaixo. Por alguma razão que não me ficou clara, não publiquei. Achei que devia deixar o texto se assentar um pouco antes de torna-lo público.

Enquanto o texto estava lá, em seu estado de amadurecimento, fui surpreendido (há quatro semanas) com um “mau jeito” nas costas que, desde então, tem me causado dores fortes e constantes no quadril e na perna. Fui ao médico e iniciei o tratamento hoje, mas o alívio ainda não chegou. Ouvi do médico que essa dor que estou sentindo é incapacitante. Realmente, não encontro melhor definição do que essa.

Esta dor é incapacitante porque ela está presente de tal forma que ocupa meu pensamento em todo o tempo. Desde o primeiro dia dessa crise, tudo o que faço, faço tendo a dor como referência: Se fizer isso, vai doer? Se fizer aquilo, vai aliviar? Será que a dor me permitirá fazer tal coisa, assumir tal compromisso?

Ontem, me dei conta que essa era a bênção que me faltava para amadurecer o texto. Quando escrevi que amor “é força que dói”, o fiz como “caracterização poética” (se é que isso existe) do texto de C.S. Lewis. Uma afirmação correta, mas sem a substância da prática. Ontem, percebi que o amor como “força que dói” é aquilo que me incapacita de fazer qualquer coisa sem pensar nele, aquilo que me obriga a tê-lo em perspectiva para qualquer coisa que eu vá fazer na minha vida.

Enfim, se você e eu tivermos como árbitro de nossas atitudes e comportamentos essa força que dói, creio que estaremos mais próximos daquilo que o Mestre Jesus de Nazaré nos ensina e nos insta a sermos.

Agora, creio que entendo melhor o que significa viver esse amor dolorido.

O amor é força que dói
Mas mesmo assim
É o que há de mais doce
E mais justo cabe dentro de nós

O amor não é vão sentimento
Mas presente se pode sentir
O amor não é flor no jardim
Mas presente perfuma o ar

É silêncio que grita alto e preciso
É palavra que cala o mais alto refrão
Tempestade que nutre e que rega calmaria e frescor

 Forja o fraco, molda o forte
E penetra, e redime, e nos junta
Ao Senhor, Nosso Deus, artesão e expressão… do amor

Categorias:lendo, pensando

O dia da flecha

agosto 9, 2015 1 comentário

Em minha alta quilometragem rodada frequentando cerimônias de casamento, posso afirmar que em aproximadamente onze de cada dez cerimônias, o celebrante acaba citando o Salmo 127 – integral ou parcialmente. Ei-lo:

Se não for o Senhor o construtor da casa, será inútil trabalhar na construção. Se não é o Senhor que vigia a cidade, será inútil a sentinela montar guarda.
Será inútil levantar cedo e dormir tarde, trabalhando arduamente por alimento. O Senhor concede o sono àqueles a quem ama.
Os filhos são herança do Senhor, uma recompensa que ele dá.
Como flechas nas mãos do guerreiro são os filhos nascidos na juventude.
Como é feliz o homem cuja aljava está cheia deles! Não será humilhado quando enfrentar seus inimigos no tribunal.

Salmo 127

Posso testemunhar que a analogia do casamento com uma casa que começa a ser construída é pertinente e tem edificado muita gente no projeto familiar, que é nascido no coração de Deus.

Mas o dia de hoje é especial para mim particularmente pelos versos 3 e 4, que dizem…

Os filhos são herança do Senhor, uma recompensa que ele dá.
Como flechas nas mãos do guerreiro são os filhos nascidos na juventude.

É muito apropriada a associação dos filhos como a figura da herança. Essas crianças (serão sempre crianças, como se sabe) são o legado mais precioso de uma casa construída com amor, carinho, determinação e humildade.

Mas o salmista prossegue e descreve os filhos também como flechas na mão do guerreiro. A vocação da flecha é ir para o arco e, com a liberação da força da corda tensionada, voa, rompe o espaço até o alvo. Como pai, o ato de atirar a flecha é motivo de desprendimento, ruptura, emoção, expectativa. andre

Hoje, 9 de agosto de 2015, meu coração se enche de orgulho, esperança… e também de um certo aperto no coração, devo admitir. André, que tantas vezes nossa família poliu, ajustou, encerou, protegeu, investiu para tornar afiado, voa para Portugal em uma jornada de estudo pela qual batalhou e sonhou.

André, que você voe certeiro e desimpedido rumo ao objetivo que está à sua frente, sabendo que sua família e seu Deus esperam ver sua missão cumprida e seu alvo atingido, como instrumento afiado e útil para o serviço do Reino!

Hoje… hoje é o dia da flecha!

Categorias:pensando

O mote da varanda

maio 4, 2015 2 comentários

IMG_0145IMG_0142

Tenho dividido meus dias entre dois lugares bem distintos: a cidade e “a roça” (quem já foi ao Xangrilá entende o que eu digo). O amanhecer em um e em outro lugar coloca-me diante de cenários diferentes.

No final das contas, as duas varandas fundem-se em uma só. Ali, sentado, pensando na vida, cometi o Mote da Varanda

Da varanda vejo a rede, vejo o bosque, vejo o azul
Vejo o aço, vejo o concreto e vejo a pressa
Da varanda eu vejo o belo que Deus me dá

Da varanda eu sinto o orvalho e o latido dos cachorros
Sinto a fumaça nos poros, no carro, na cama
Da varanda eu sinto tudo o que Deus me dá

Da varanda eu vejo o sorriso de menina do meu amor
Dos meninos que me renovam a esperança
Da varanda eu vivo tudo o que Deus me dá

Da varanda eu gozo a vida – no asfalto ou no mato
Em caminhos de um futuro que eu preciso construir
Sendo eternamente grato pela varanda que Deus me dá.

Categorias:pensando

A aprendizagem pelo jogo e a resolução de problemas (por Beto Costa)

fevereiro 26, 2015 3 comentários

Já escrevi por aqui sobre meu gosto por esportes. Em Latindo Para o Cachorro, eu disse:

Entre outras coisas, gosto principalmente porque o jogo cria microcosmos com regras e períodos específicos, onde as pessoas podem exercitar e demonstrar algumas de suas convicções e de seus desejos mais genuínos (mesmo aqueles mais secretos). Além disso, entendo que no jogo é possível que alguns abismos culturais e sociais sejam eliminados ou, pelo menos, diminuídos.

Por isso, há muito tempo, sonho em ter neste espaço algo relacionado ao esporte e suas implicações em todas as esferas da vida. Nesse sentido, minhas conversas com meu amigo Beto Costa, professor e estudioso dos esportes, me deram a certeza de que ele tinha muito a dizer sobre da prática esportiva e sua aplicação em processos de aprendizado – que é outra de minhas paixões.

Demorou, mas o Betão produziu um texto que achei muito legal, com ideias, conceitos e propostas na área. É um prazer reproduzi-lo aqui, até porque é a palavra de um especialista no assunto. Acredito que uma leitura atenta e interessada pode despertar em você questionamentos, ideias e, quem sabe, um debate – e é esse o meu objetivo.

Então, sem mais delongas…

A aprendizagem pelo jogo e a resolução de problemas

Roberto Rocha Costa

betoQuando fui convidado a escrever aqui, fiquei muito honrado e preocupado por não saber se, ou como, eu poderia contribuir. Mas, quando o Lau me desafiou, propôs um assunto pelo qual sou apaixonado. Discutir o jogo é algo sempre prazeroso. Algumas vezes, conversando com o ele, tive a oportunidade de falar sobre o que tenho estudado em relação à metodologia de ensino de esportes. E, entre outras coisas, algo em que devo tê-lo deixado curioso foi falar sobre “resolução de problemas” como aspecto do processo de aprendizagem. Hoje em dia, já existem correntes pedagógicas que defendem essa ideia em diversos ambientes (ensino básico, ensino superior, pós-graduação…). Se você quiser/puder pesquisar sobre PBL (Problem Based Learning), vai encontrar informações interessantes. Mas qual a relação do jogo com resolução de problemas?

A ideia de resolver problemas para aprender vem para superar o antigo modelo de que a aprendizagem está na repetição e reprodução de um determinado conteúdo. Nós aprendemos muito (pra não dizer tudo) relacionado à educação formal em um modelo que vou chamar de tradicional, em que o professor (ou alguma instituição, ou alguém superior a ele) determinava qual o conteúdo era importante para o aluno, fragmentava esse conteúdo em partes (para se ensinar as mais simples primeiro e depois ensinar as mais complicadas) e, principalmente, dizia, mostrava e fazia o aluno repetir milhares de vezes “tudo” que o aluno deveria saber. Além disso, esse modelo de ensino desconsidera que a aprendizagem aconteça em outros ambientes ou outras situações que não sejam a de um professor “passando” seu conhecimento para o(s) aluno(s). Por favor, perceba que eu critico esse modelo de ensino, mas não consigo dizer que esse modelo não ensina, porque ensina. Por outro lado, estou convicto de que esse modelo deve ser superado. Em qualquer esfera de ensino.

No ensino/treinamento de esportes, nesse modelo tradicional o professor determina quais movimentos o aluno precisa aprender para jogar, e o faz repetir esses movimentos de forma descontextualizada até que o movimento seja automatizado para, depois, aprender a usá-lo em situação de jogo. No ensino da escrita, faz o aluno repetir movimentos (escrever) que representam letras, mas a interpretação de texto só vem depois de saber reproduzir os desenhos (das letras) de forma adequada. Na matemática é ensinado a decorar números e resultados de contas (tabuada) para, somente muito depois, ensinar pra que serve (isso, quando ensina pra que serve).

Voltando à minha área de estudo/trabalho (talvez você consiga pensar em um exemplo relacionado à sua área), cena clássica em jogo de voleibol (principalmente em categorias iniciais, mas eventualmente também em equipes profissionais): A bola do saque cai direto no chão, entre 2 jogadores, que nem se mexeram para recepcionar a bola. Qual a primeira (e talvez única) reação deles? Olhar para o banco de reservas e perguntar para o técnico/professor quem deveria ter pego a bola. Somente depois dessa determinação, se acontecer novamente, talvez eles hajam como esperado. Mas o que essa cena indica? Indica que quem está no jogo, não sabe jogar. Porque quem sabe jogar, sabe que a bola não pode cair no chão! Não importa quem vai pegar a bola, ela não pode tocar o chão! Perceba que saber realizar o movimento da manchete não é determinante (pode dar alguma segurança, mas não promove a ação); o que provoca a ação é o conhecimento da necessidade e, consequentemente, de uma ação que resolva o problema. Cena semelhante, saque novamente entre 2 jogadores, mas os 2 correm em direção à bola, eles trombam e não conseguem dar continuidade ao jogo. O resultado final é o mesmo da cena anterior: ponto do adversário. Mas indica entendimento da necessidade do jogo, entendimento e busca de uma solução (que precisa ser melhorada). E a reação depois do erro? Geralmente os 2 resolvem entre si, reconhecendo que atrapalhou e que o outro tinha melhores condições, ou determinando critérios (a bola mais curta é sua, a mais longa é minha, etc.).

O que eu quero dizer é que repetir movimentos de forma descontextualizada e sem significado concreto não ensina atitudes. Repetir o movimento da manchete na parede não ensina recepção, ou defesa (muita gente que aprendeu os movimentos não entende que são situações (problemas) muito diferentes e que requerem soluções muito diferentes). Já a aprendizagem pelo jogo deve levar à compreensão dos objetivos e necessidades do jogo, identificação dos problemas, elaboração de soluções, aplicação das soluções propostas, avaliação do processo (se foi a solução adequada, ou não, se o erro foi a ideia ou a execução, etc.).

Qual a relação entre o jogo e a resolução de problemas? Bem, o jogo dá problemas para resolver, mas não dá as respostas. Essas são construídas a partir do conhecimento prévio e da interação entre os conhecimentos dos outros, além da experimentação, da criatividade e etc. Se inteligência é a capacidade de resolver problemas, e se eu quero que meu aluno/atleta seja inteligente, o que eu devo dar pra ele são problemas e não respostas, ações e comportamentos padronizados. Enfim, o jogo dá problemas, mas, mais do que isso, ele dá também a liberdade de resolver, de testar, de experimentar de se auto avaliar, enfim de aprender de forma concreta e significativa.

Pra finalizar, quando digo aprendizagem através do jogo, não é qualquer jogo,  ou deixar o aluno jogar o que quer,  nem de qualquer jeito (como ele quiser), mas um jogo organizado e previamente planejado com regras específicas, por exemplo,  para exagerar uma necessidade do jogo, provocando o aluno/atleta a identificar o problema, propor soluções e executá-las. Entre essas soluções estão as técnicas necessárias para resolver adequadamente o problema.

Imagino que algumas dúvidas surgiram, e quem quiser é só perguntar, que vamos discutindo até entendermos (eu inclusive) melhor. Abordei diversos temas num texto curto (aí tem assunto para pelo menos um semestre em um curso de formação de professores) e, se for necessário, podemos aprofundar, de acordo com as curiosidades/interesses de vocês (é só o Lau deixar…).

Grande abraço e até mais!

Beto.

Para 2015: todo tempo é tempo

Um amigo me disse: “Percebo que você gosta de cantar, não é? Por quê, então, não aprende?”. Não aprendi, mas continuei achando que “quem canta…” – você completa com o que quiser.

Pensando no ano que acaba de chegar, lembrei-me de uma antiga canção, que fala que “… todo tempo é tempo pra gente se ver”.
Então, aquele encontro que você e eu temos adiado e, às vezes, chegamos a pensar que não tem mais clima, não tem mais jeito, não tem mais “liga”… todo tempo é tempo.

Fora os semitons, os erros na respiração, os tropeços na harmonia, era mais ou menos esse o recado que eu queria dar. 😉

Categorias:pensando

#FaleiPorqueTenhoBoca – Mas e a pirâmide?

dezembro 10, 2014 Deixe um comentário

Hoje, lendo um artigo da BBC News (Abraham Maslow and the pyramid that beguiled business), deparei-me com um parágrafo que julgo interessante “colar” aqui.

While there were no pyramids or triangles in the original paper, Maslow’s hierarchy of needs is now usually illustrated with the symbol. And although the paper was written as pure psychology it has found its main application in management theory.

_69564888_maslow_memeSe você, como eu, ficou curioso, recomendo a leitura.

Particularmente, adorei.

Porque se tem uma coisa que não engoli em uma das disciplinas de um curso que fiz foi que dá para a gente enquadrar (ou “piramidar”) pessoas em um mapinha de motivações. Parece-me simplista por demais e, consequentemente, simplório.

Pessoas são mais complexas e mais ricas do que isso.

E se alguém que prefere acreditar que pode tratar seus liderados com um conjunto de ferramentas saído de uma apostila de um curso MBA pasteurizado ou de uma palestra de algum guru corporativo… esse alguém pode ser qualquer coisa, menos um líder.

#FaleiPorqueTenhoBoca

Categorias:gestão, lendo, pensando Tags:, ,